Um Agridoce Café

A gente já tinha recebido essa dica várias vezes e por vários meios, então, há algumas semanas, resolvemos visitar e provar as opções veganas do Agridoce Café, “um espaço aconchegante e gentil para todos, com aroma de café e de doces saindo do forno”, de acordo com a própria página do estabelecimento. Então, aproveitamos um final de tarde quase noite e rumamos à Cidade Baixa.

Balcão de atendimento do Agridoce.
Balcão de atendimento do Agridoce.

Ao chegarmos lá, fomos recepcionados por um atendente que nos informou que a casa estava lotada, dizendo que haviam duas mesas a nossa frente na fila. Resolvemos aguardar mesmo assim. O atendente então pediu o nosso nome e telefone. Para nossa surpresa, segundos depois de ele nos deixar recebemos um SMS informando nossa posição na lista de espera para uma mesa, muito legal!

Decoração da parede da nossa mesa.
Decoração da parede da nossa mesa.

Como estávamos entre duas pessoas apenas, rapidamente conseguimos uma mesa em um dos salões fortemente decorados do café. Logo o mesmo atendente nos trouxe o cardápio que passamos a analisar. Após termos um pouco de dificuldade em encontrar as opções veganas, solicitamos ajuda ao atendente que prontamente nos informou que havia um sanduíche vegano, feito de pão artesanal de moranga com sementes de girassol, pasta de grão de bico, tomates secos, caponata e folhas verdes. Obviamente essa foi nossa escolha.

A comanda do Agridoce.
A comanda do Agridoce.

Nosso pedido não demorou muito a chegar, mesmo com o local lotado. O sanduíche estava bem gostoso, o pão bem novinho, o recheio molhado. Para o nosso gosto, a pasta de grão de bico poderia estar um pouco mais temperada, mas entendemos que é difícil agradar todos os gostos quando se atende tanta gente assim. Nada que não pudesse ser corrigido com um pouco de azeite de oliva.

Pra variar a gente comeu antes de tirar a foto :D
Pra variar a gente comeu antes de tirar a foto :D

Depois de terminar de comer o sanduíche, novamente analisamos o cardápio, pois queríamos um doce para acompanhar o espresso que iríamos pedir. Após uma pequena confusão com o atendente sobre se uma opção seria ou não vegana, obtivemos a informação de que a única possibilidade para nós seria o brownie de banana, que, então, pedimos. Estava gostoso, mas achamos que brownie de banana é uma das sobremesas veganas mais comuns de ser encontrada.

Pra variar a gente comeu antes de tirar a foto :D (2)
Pra variar a gente comeu antes de tirar a foto 😀 (2)

Entendemos que o Agridoce Café oferece opções veganas bem gostosas, inclusive de sobremesa, mas apenas uma doce e uma salgada. Seria interessante aumentar e diversificar as opções para poder voltar mais frequentemente ao estabelecimento.

img_4516

Alguns ambientes do café.
Alguns ambientes do café.

Nota: ***

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

It’s me, Yoshi!

Essa semana bateu vontade de comer Sushi, mas sempre dá uma certa desconfiança de comer em restaurantes japoneses, afinal a gente ainda ouve bastante “Mas nem peixe?”, por aí. De qualquer forma, começamos a vasculhar a nossa cabeça sobre as casas de sushi que ofereciam combos veganos. Foi aí que lembramos que certa vez já havíamos pedido uma tele-entrega do Yoshi Sushi. Mas, dessa vez a gente queria ir para a rua, afinal era final de semana e fazia uma noite quente.

Decidimos então nos deslocar para a Cidade Baixa, sem fazer a clássica ligação para o restaurante antes, afinal já sabíamos que havia opção vegana no cardápio deles. Após pegar um pouco do trânsito do bairro mais boêmio de Porto Alegre no caminho, chegamos ao restaurante. Fomos recebidos com um pouco de estranhamento pelos atendentes do local, parecia ser uma surpresa para eles que estivéssemos ali.

Porta de entrada do restaurante no maior estilo "passagem secreta".
Porta de entrada do restaurante no maior estilo “passagem secreta”.

Passada essa primeira impressão, nos acomodamos em uma das altas mesas feitas de de venezianas com tampo de vidro. Éramos os únicos clientes no local que tinha uma decoração muito bonita e um astral muito bacana. Como não havia dúvidas sobre o que pediríamos, chamamos o atendente para fazer o nosso pedido. Quando falamos do combo vegano, ele ficou um pouco desconcertado. Pediu um minuto e foi até a cozinha ver se eles poderiam fazer, pois o combo este combo não estava no cardápio do restaurante.

Ficamos chateados com esse titubear em nos atender, mas logo outra atendente apareceu e nos repassou que eles poderiam sim fazer o combo vegano para a gente sem nenhum problema. Nossa quebra de expectativa se desfez rapidamente, enquanto esperávamos nossa janta. Antes que nosso prato chegasse recebemos um sunomono de cortesia que estava uma delícia!

Sim, a gente admite, a fome foi maior e comemos o sunomono antes de tirar a foto :D
Sim, a gente admite, a fome foi maior e comemos o sunomono antes de tirar a foto :D

Nossa janta logo foi servida, o que foi muito bem recebido por nós, afinal estávamos famintos. O combo era composto de 24 peças, dentre elas niguiri de mini milho, uramaki de tomate seco e rúcula, uramaki de vegetais, hossomaki de pepino, hossomaki de vegetais, etc. e todas estavam muito boas!

O nosso combo!
O nosso combo!
O nosso combo! (2)
O nosso combo! (2)

Depois da janta, em conversa com a atendente, descobrimos que eles haviam aberto o restaurante a menos de um mês, até então eles trabalhavam apenas com a tele-entrega, mas depois de tantas pessoas pedirem para que eles tivessem um espaço físico disponível resolveram se aventurar a ter atendimento ao público. Foi então que entendemos o porque das pequenas hesitações, a gente sabe bem que o início de qualquer operação é complicado e que é mais que normal haver pequenas falhas.

O ambiente do Yoshi Sushi.
O ambiente do Yoshi Sushi.

Nossa impressão geral é de que o Yoshi Sushi oferece uma boa opção vegana em seu cardápio, apesar de ser a única do cardápio. Seria legal também estudar a possibilidade de ter alguma sobremesa sem produtos de origem animal. Mas, de forma geral, a gente saiu de lá com uma impressão muito boa. Obrigado por pensar nos veganos na hora da montagem do cardápio!

Ah, sempre importante!
Ah, sempre importante!

Nota: ***

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Recebemos a dica: Donna Laura doces e salgados

Na semana passada a gente recebeu uma dica pelo nosso Facebook: “Vocês já conhecem o Donna Laura, na Cidade Baixa?”. O restaurante estava sim na nossa lista de próximas visitas, mas imediatamente foi colocado em primeiro lugar, afinal o apelo popular tem que ser atendido, não é mesmo? 😀

O Donna Laura fica na Coronel Fernando Machado, 1164, endereço para o qual nos deslocamos em um belo dia de sol e frio em Porto alegre. Após atravessar a Loureiro da Silva, logo encontramos o local, lá demos de cara com um aviso que fez nosso coração palpitar de felicidade. Em um pequeno quadro de giz havia o cardápio do dia abaixo do título: “Almoço Vegano (assim mesmo, sublinhado) de segunda à sábado”. Aquele sentimento de alívio por poder almoçar sem preocupações, brotou.

O ambiente do Donna Laura.
O ambiente do Donna Laura.

Imediatamente entramos no local e nos dirigimos ao caixa para pedir informações de como era o sistema do restaurante. A atendente, de forma muito simpática, nos explicou que havia um buffet de saladas logo na entrada onde poderíamos nos servir. Além disso, havia o prato do dia, que, aquele dia, era composto de risoto de moranga, lentilha, berinjela empanada e um pãozinho da casa. E tudo poderia ser repetido quantas vezes desejássemos.

Vai uma saladinha? :)
Vai uma saladinha? :)

Sem pensar duas vezes, fomos nos servir de salada. Assim que terminamos de nos servir, foi entregue o nosso prato do dia, bem rapidinho! Fomos então encontrar um lugar para sentar. Como o local é relativamente pequeno, poucas mesas estão disponíveis, então a gente pode ter que sentar junto com desconhecidos, o que achamos muito bacana, afinal é uma oportunidade de conhecer outras pessoas né? Nos sentamos na mesa maior, que tem quatro lugares de cada lado.

O pessoal do Veganista, pra variar, com fome.
O pessoal do Veganista, pra variar, com fome.

A comida estava gostosa. Havia uma salada com feijão fradinho e vinagrete que estava muito boa, a berinjela empanada nos deu vontade de repetir e o pãozinho para comer junto com a lentilha formava a combinação perfeita. Esses foram os nossos prediletos aquele dia.

Mas, a nossa experiência no Donna Laura ainda não tinha chegado ao fim. Havia uma vasta opção de sobremesas “nos chamando”! Depois de muito analisar as várias opções a disposição ali, decidimos por um bolo de chocolate com ganache (sim, somos loucos por chocolate). As sobremesas não são todas veganas, então se ficar na dúvida, pergunte, o pessoal do restaurante sabe direitinho o que é e o que não é.

Pagamos a conta e decidimos aproveitar o nosso doce caminhando no sol, afinal é sempre importante sintetizar vitamina D. Mas ao dar a primeira colherada na sobremesa, tivemos vontade de voltar no restaurante e pagar de novo, por que era muuuuuuuuito boa. E de um tamanho generoso, ou seja, saímos da Cidade Baixa rolando aquele dia!

Equipe do Veganista de dieta :D
Equipe do Veganista de dieta :D

No nossa opinião, o Donna Laura doces e salgados é uma ótima pedida para qualquer pessoa, vegana ou não. O cardápio é modificado diariamente, o que faz com que ele seja uma opção frequente para o almoço das pessoas que trabalham ou moram na região, bem como para um café da manhã ou tarde.

Os horários de funcionamento.
Os horários de funcionamento e a Frida.

Nota: ****

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

 

Olé paella vegana! Olé!

Fazendo a nossa busca por opções veganas em Porto Alegre, a gente recebeu a dica de que o Tablado Andaluz servia uma paella vegetariana. Já havíamos visitado o tablado há muitos anos, quando ele ainda funcionava na Avenida Oswaldo Aranha, mas não tínhamos recordação da tal paella. Muito interessados resolvemos ligar para o local pra ver se eles conseguiriam fazer uma versão vegana desse prato. Para a nossa surpresa, após explicarmos o que era vegano, descobrimos que a paella vegetariana é, na verdade, uma paella vegana. Sem titubear reservamos os nossos lugares para aquela mesma noite.

Para os que não conhecem, o Tablado Andaluz é um local que traz ao público a cultura do flamenco. De acordo com o site do tablado: “Os “Tablaos” como ficaram conhecidos, eram bares descendentes dos Cafés Cantantes que existiam no inicio do seculo passado por toda Europa e foram importantes no surgimento do flamenco e na consolidação de sua classe artística. As noites nos “Tablaos” eram a fusão perfeita entre arte flamenca, gastronomia e boemia. O Tablado Andaluz de Porto Alegre é único “Tablao” no Brasil.”. Está situado na Avenida Venâncio Aires, 556.

Para podermos aproveitar bastante o local chegamos cedo, ainda que fosse uma noite com tempo ruim. Logo que entramos fomos recepcionados pelos atendentes do local que nos levaram até a nossa mesa. A menina que nos atendia explicou como funcionava o sistema da casa: entrada, buffet de saladas e paella. Explicamos novamente a questão do veganismo para ela e ela garantiu que a paella era vegana. Apenas nos disse para não comer a tortilla que vinha com a entrada, pois continha ovos.

O clima do tablado.
O clima do tablado.

Como chegamos cedo, a comida ainda estava sendo preparada e o buffet de saladas montado. Pensamos: “Quando em Roma, faça como os romanos” e decidimos pedir uma jarra de sangria. Não demorou muito para que ela fosse trazida até a nossa mesa e que pudéssemos saboreá-la. Aproveitamos a típica bebida espanhola, que estava muito gostosa, mais seca do que doce como é da nossa preferência. Logo nos foi servido também a entrada, uma porção com azeitonas, caponata de berinjela, pimentão vermelho em conserva e pãezinhos. Estava tão gostosa que pedimos uma segunda leva!

A sangria e a entrada.
A sangria e a entrada.

Por volta das 21h00 as paellas e o buffet começaram a ser servidos. Como nós estávamos morrendo de fome, levantamos rapidamente e fomos nos servir. Havia várias opções de saladas, mas como estávamos lá para saborear a paella vegana, acabamos pulando as mais básicas e provando apenas as mais elaboradas, dentre essas fica o destaque para a salada de laranja com cebola. Um mistura estranha a primeira vista, mas deliciosa.

O buffet de saladas era bastante variado!
O buffet de saladas era bastante variado!

Por fim, nos servimos da tão aguardada paella. O aspecto não deixava nada a desejar para as outras paellas servidas ali. Ao invés dos frutos do mar ou das carnes, vegetais variados compunham os ingredientes, tais como ervilha, grão de bico, cenoura, pimentões, etc. A comida estava muito gostosa e bem preparada. Como não havia nenhum elemento que fosse do mar, a paella vegana era muito parecida com um risoto de vegetais com o arroz amarelo por causa do açafrão. Um truque muito comum nas adaptações veganas de pratos com frutos do mar é a utilização da alga nori (ou alguma outra), pois ela imprime no prato aquele “gostinho de mar”. Mas esse é um pequeno detalhe, adoramos a comida!

O primeiro show: paella vegana.
O primeiro show: paella vegana.

Para fechar com chave de ouro, após o jantar há uma apresentação de flamenco. Na noite em que fomos visitar a casa, havia duas bailaoras (bailarinas flamencas), um cantante/cajonista (cantor que tocava cajon) e um violonista. A qualidade dos músicos e das dançarinas é de cair o queixo, realmente uma experiência cultural riquíssima.

O segundo show: flamenco.
O segundo show: flamenco.

Bem, não é por acaso que funciona também no local uma escola de dança flamenca. Caso você se interesse, é só entrar no site para saber mais informações.

Nota: ****

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Matando a fome na Cidade Baixa

Dessa vez resolvemos visitar um lugar pouco procurado pelos veganos, o restaurante Temperandus Restaurante Natural, na Avenida Venâncio Aires, 68.

O restaurante trabalha somente no almoço, oferecendo um vasto buffet com várias opções veganas e não-veganas. Ao entrar no local a primeira pergunta feita foi: “Vocês utilizam carne, bacon, caldo de carne, algum outro produto de origem animal, no feijão?” e, para nossa felicidade, a resposta foi certeira: “Não!”. Ou seja, com um vasto buffet de saladas, arroz e feijão, seríamos capazes de ter um almoço completo em relação a nutrientes. No entanto, para nossa tristeza, realmente era só isso que o restaurante tinha a oferecer, as demais opções continham queijo, carne e outros produtos de origem animal.

Além disso, estava incluído no valor de R$20,00 do buffet quatro opções de suco: laranja, mix de frutas, limão e uva. Provamos o mix de frutas, apesar de o suco parecer natural era bem sem gosto, já os demais sucos não pareciam ser naturais ainda que a gente não tenha provado. Havia frutas como opção de sobremesa, já que na mesa de sobremesas abundavam os produtos de origem animal. Na saída o cafezinho também era cortesia, mas extremamente amargo e com gosto de queimado.

Nossa impressão geral sobre o local é de que vale a pena usar como um quebra-galho para o almoço, ali um vegano pode não morrer de fome, mas certamente não terá uma refeição memorável.

Nota: **

Fica aí a dica do Veganista!

Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉