O delicioso La Rouge

Em um dia de semana nublado resolvemos ir visitar o La Rouge, bistrô completamente vegano que oferece aos seus clientes uma “Culinária ética, criativa, orgânica, saudável, sofisticada e deliciosa.”, conforme afirma a página do restaurante. Funcionando de segunda-feira aos sábados ao meio-dia e nas quintas-feiras  no turno da noite, o La Rouge prepara as delícias de seu cardápio a la carte na Avenida Mariland, 1587.

Conhecendo o cardápio do lugar e sabendo que apenas um prato não daria a dimensão da qualidade da comida servida lá resolvemos convidar um casal de amigos para nos acompanhar. Chegamos por volta das 12h45 e fomos recebidos com a cordialidade que é característica do local, decidimos pegar uma mesa no segundo andar do pequeno bistrô. Sentamos e calmamente escolhemos nossos pratos. Como a gente do Veganista já conhecia o cardápio “normal” do La Rouge, decidimos pedir o prato especial do dia que para nós era novidade. “Camadas de polenta de milho crioulo intercaladas com molho defumado de castanhas e espinafre, cogumelos paris salteados e pesto rosso”, vai dizer que não parece uma boa pedida? hehehe

O famoso cardápio do La Rouge.
O famoso cardápio do La Rouge.

A Nati e o Guilherme aceitaram nossas dicas para escolher os pratos. Ela decidiu pelo Tagliatelle com almondegas de noz-pecã ao molho rouge com suco de uva orgânica e ele pelo Spaghetti da horta (feito de abobrinha e cenoura) com suco de bergamota orgânica. Dois dos nossos pratos prediletos do La Rouge.

Enquanto esperávamos nossos pratos ficamos conversando, aproveitando a calma e a trilha sonora gostosa do lugar. Aliás, essa é uma característica do La Rouge, não é um lugar pra ser ir com pressa, mas sim com tranquilidade para aproveitar o clima, o lugar, as companhias e a comida preparada com tanta dedicação, cuidado e carinho.

Acabamos sendo os primeiros a comer, porque o especial do dia incluía uma entrada que chegou junto com as bebidas. Era um mix de folhas da estação, bulbo de erva-doce grelhado, cenoura baby assada, avocado e rabanete com molho de biomassa de banana verde!

O mix de folhas. A fome era tão grande que a gente deu uma garfada antes de tirar a foto.
O mix de folhas. A fome era tão grande que a gente deu uma garfada antes de tirar a foto.

Não demorou muito para que os pratos principais chegassem e se fizesse aquele silêncio na mesa que deve ser o maior dos elogios para um chef de cozinha, todos os outros sentidos ficaram em segundo plano enquanto degustávamos as maravilhas preparadas pelo pessoal do La Rouge.

Polentas em camada e água com gás.
Veganista: Polentas em camada e água com gás.
Guilherme: Spaghetti da horta com suco de bergamota.
Guilherme: Spaghetti da horta com suco de bergamota.
Nati: Tagliatelle com almondegas ao molho rouge com suco de uva.
Nati: Tagliatelle com almondegas ao molho rouge com suco de uva.

Ainda que uma imagem valha por mil palavras a gente vai dizer, o almoço estava sensacional! A qualidade e o cuidado com todo o processo na preparação dos pratos é impressionante fazendo com que a comida do La Rouge certamente esteja entre nossas preferidas na cidade.

Nota: *****

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Te gusta un burrito vegano?

Chegou aos nossos ouvidos que o pessoal do Oak’s tinha lançado um novo sabor de burrito, o Vegan Chili. Isso mesmo, o pessoal se preocupou em colocar uma opção de chili de proteína de soja entre os recheios disponíveis! Pra quem não conhece, o Oak’s fica na Rua Félix da Cunha, 1215, pertinho do shopping Moinhos de Vento. Lá eles servem algumas opções de comidas mexicanas, como burritos, tacos e nachos, em um formato em que o cliente escolhe o que quer como recheio do seu pedido (parecido com o Subway, sabe?).

Opções para rechear o seu burrito no Oak's.
Opções para rechear o seu burrito no Oak’s.

Ao nos aproximarmos do balcão perguntamos ao atendente: “Vocês têm alguma opção vegana”, ao que ele prontamente respondeu “Sim! O de chili de soja”. Só de o atendente não olhar com uma cara estranha ao ouvir a palavra “vegana” o estabelecimento já ganha pontos com a gente.

Como não sabíamos o tamanho do burrito e a fome era considerável, resolvemos optar por um médio. Recheamos com arroz, feijão, chili de proteína de soja, molho levemente picante, pico de galo, alface e guacamole. Nesse momento pensamos, “será que ele vai conseguir fechar o burrito?”.

Será que fecha?
Será que fecha?

Ainda bem que o atendente sabia o que estava fazendo e conseguiu fazer com que coubessem todos os ingredientes que escolhemos dentro do nosso pedido.

O burrito ficou esturricado :D
O burrito ficou esturricado :D
Mas é claro que a gente deu um jeito de comer tudo!
Mas é claro que a gente deu um jeito de comer tudo!

Essa versão da comida mexicana trazida pelo Oak’s fica bem gostosa, especialmente para quem está procurando um lanche ou almoço rápido. Talvez as pessoas que não estejam muito acostumadas com a culinária deste país possam estranhar um pouco misturar arroz, feijão, abacate, etc. em um “sanduíche” com alguns elementos quentes e outros frios. É uma questão de gosto, a gente aprovou!

A decoração do restaurante é bem moderna, utilizando muitos elementos da cultura californiana.

Área de atendimento do Oak's.
Área de atendimento do Oak’s.
Decoração com elementos da Califórnia.
Decoração com elementos da Califórnia.

A gente sabia que as opções do Oak’s já poderiam ser utilizadas para montar uma opção vegana, mas ter a preocupação de adicionar um recheio proteico pensando nos veganos foi o que nos motivou a visitar o local. Valeu pessoal e parabéns pela iniciativa!

Nota: ***

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Um café natural

Dessa vez a gente foi dar um conferes no VIDAL mercearia + café que fica na Mata Bacelar, 52. Pra quem não conhece a rua (a gente não conhecia 😀), ela fica pra trás da 24 de Outubro, pertinho da Nova York.

Visitamos o local no final de semana e ao chegar descobrimos que estava acontecendo uma feirinha com música ao vivo, complementando de forma bem interessante a experiência que tivemos.

O café, que diga-se de passagem é muito aconchegante, fica nos fundos do imóvel, criando uma atmosfera receptiva que nos fez ficar mais tempo conversando e apreciando o local do que o que tínhamos programado. Além disso, o Vidal tem como foco oferecer produtos que utilizam insumos orgânicos, sem conservantes, sem corantes, etc.

Ficamos muito felizes de receber uma resposta clara para a pergunta “tem alguma opção vegana?”. A moça do caixa imediatamente nos ofereceu as duas opções que a casa tinha (podia ter mais né?), dentre as quais escolhemos o muffin de banana com cacau acompanhado de um expresso duplo.

Nossa experiência lá foi bem bacana, mas não é um lugar com muitas opções veganas. Atendeu a nossa demanda por um doce com café, mas não sei se teríamos conseguido satisfazer uma fome maior.

Nota: ***

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Sabe o que é um “Bici Café”?

Hoje nosso post é sobre a VULP, que fica a Bento Figueiredo, 78, um lugar inspirado pela cultura urbana da bicicleta, mas onde “todos(as) são bem-vindos(as), pedalando ou não”. Apesar de termos ido para o almoço, o local fica aberto de manhã e à tarde funcionando também como café e com muitas opções veganas!

Visitamos a VULP num dia frio e chegamos cedo, por volta das 11:30. Como o almoço passa a ser servido a partir das 12:00 tivemos um tempo para dar uma olhada na bela casa onde o café/restaurante se situa, apreciar a decoração sentados ao lado da lareira que aquecia o ambiente principal.

Uma curiosidade, este dia era dia de “Almoço sem preço com Alan Chaves” (pra quem não conhece, o Alan Chaves é um chef/cozinheiro bem conhecido por realizar essas iniciativas), ou seja, o almoço não tem preço fixado, cada um paga o que achar justo e o que puder pela refeição. De acordo com o material explicativo que se encontrava nas mesas: “A proposta do sem preço é estimular a reflexão e consolidar as nossas relações em processos de generosidade, co-responsabilidade, desapego e proporcionar equilíbrio possibilitando o acesso do maior número de pessoas possível”. Legal, né?

Bem, passando um pouquinho das 12:00 nosso prato foi servido, já que fomos os primeiros a entrar fomos os primeiros a receber, fato que nos gerou grande satisfação porque o cheirinho da comida sendo preparada estava nos matando! O generoso almoço contava com feijão branco com abóbora e tofu defumado, arroz com brócolis, batata ao murro e salada de couve com molho de alho. Também estavam inclusos um copo de chá mate com maracujá e paçoquinha de sobremesa.

A porção era realmente muito generosa e conseguimos terminar toda a refeição porque a fome estava do mesmo tamanho do prato e porque a comida estava muito gostosa!

PS: A VULP não aceita nenhum tipo de cartão, apenas dinheiro.

Nota: ****

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Seja bem-vindo!
Seja bem-vindo!
Lareira deixando o clima mais aconchegante.
Lareira deixando o clima mais aconchegante.
Relance da decoração.
Relance da decoração.
O que viemos buscar: O ALMOÇO!
O que viemos buscar: O ALMOÇO!

 

 

 

Um café bem reforçado

Dessa vez fomos visitar um local com muitas opções veganas!

No coração do Moinhos de Vento está o Hilário Pasta & Café, situado na Hilário Ribeiro, 328, onde decidimos parar e tomar café da manhã para esquentar aquele dia frio. Por conta do clima não foi possível utilizar a área externa que tem um belo deck onde é possível observar o movimento de uma das principais ruas da bem conhecida “calçada da fama”.

Ao entrar no local fomos recebidos pela dona do café que prontamente nos mostrou todas as opções veganas disponíveis. Quase não acreditei ao ouvir a palavra “croissant”. Oi? Croissant vegano? SIM! Não tivemos dúvidas, pedimos um recheado com queijo vegano e proteína de soja. Para acompanhar um capuccino de leite de coco.

Quando o pedido chegou e dei a primeira mordida no croissant eu quase não podia acreditar, era realmente delicioso, na realidade não havia nenhuma diferença para o croissant “tradicional”, sequinho, crocante e quentinho, perfeito para aquela manhã fria. O capuccino estava bom e ainda ganhamos uns biscoitinhos veganos muito gostosos para acompanhar. Foi um café da manhã e tanto!

O Hilário Pasta & Café também serve almoço ao meio dia, mas dessa vez não foi possível provarmos. Quem sabe numa próxima visita né?

Nota: ****

Fica aí a dica do Veganista!
Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Capuccino com leite de coco e biscoitinhos.
Capuccino com leite de coco e biscoitinhos.
Croissant com queijo e proteína de soja, tudo vegano!
Croissant com queijo e proteína de soja, tudo vegano!

Matando a fome na Cidade Baixa

Dessa vez resolvemos visitar um lugar pouco procurado pelos veganos, o restaurante Temperandus Restaurante Natural, na Avenida Venâncio Aires, 68.

O restaurante trabalha somente no almoço, oferecendo um vasto buffet com várias opções veganas e não-veganas. Ao entrar no local a primeira pergunta feita foi: “Vocês utilizam carne, bacon, caldo de carne, algum outro produto de origem animal, no feijão?” e, para nossa felicidade, a resposta foi certeira: “Não!”. Ou seja, com um vasto buffet de saladas, arroz e feijão, seríamos capazes de ter um almoço completo em relação a nutrientes. No entanto, para nossa tristeza, realmente era só isso que o restaurante tinha a oferecer, as demais opções continham queijo, carne e outros produtos de origem animal.

Além disso, estava incluído no valor de R$20,00 do buffet quatro opções de suco: laranja, mix de frutas, limão e uva. Provamos o mix de frutas, apesar de o suco parecer natural era bem sem gosto, já os demais sucos não pareciam ser naturais ainda que a gente não tenha provado. Havia frutas como opção de sobremesa, já que na mesa de sobremesas abundavam os produtos de origem animal. Na saída o cafezinho também era cortesia, mas extremamente amargo e com gosto de queimado.

Nossa impressão geral sobre o local é de que vale a pena usar como um quebra-galho para o almoço, ali um vegano pode não morrer de fome, mas certamente não terá uma refeição memorável.

Nota: **

Fica aí a dica do Veganista!

Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉

Uma noite de comida árabe

Nosso primeiro post traz um clássico de Porto Alegre, o Restaurante Al Nur. Hoje em dia o Al Nur já possui uma série de filiais em shoppings e na zona sul, mas a gente visitou a loja mais antiga na esquina da avenida Protásio Alves com a rua Dona Leonor.

Todo vegano sabe que a culinária árabe é altamente receptiva aos ideais veganos, com várias opções de pratos que podemos degustar tranquilamente e não é diferente com o cardápio do Al Nur. Nessa foto mostramos quatro das opções veganas: o pão árabe, (da esquerda para a direita) hommus (pasta de grão de bico), mjadra (arroz com lentilha e cebola) e falafel (bolinho de vegetais).

Uma outra opção vegana que gostamos muito no cardápio do Al Nur é a berinjela em conserva de azeite de oliva, temperos e amendoim e a esfiha de zaatar.

Nota: ****

Fica aí a dica do Veganista!

Quer sugerir um lugar pra gente visitar? Envie um e-mail para falecom@veganista.online 😉